Texto por Colaborador: Redação 21/09/2022 - 04:43

Em entrevista à ESPN, o volante Gabriel cravou o Internacional vivo na disputa pela taça do Campeonato Brasileiro. Falando ainda antes da vitória sobre o Atlético-GO, o novo líder do vestiário colorado comentou também sobre a postura do time neste returno e sobre sua ambientação no Beira-Rio. Confira os principais trechos:

“No segundo turno nós estamos com uma pontuação considerável, aproveitamento de pontos que nos dá o sonho de brigar por coisas maiores. A gente sabe que o Inter quando entra nas competições é para vencer, para ser campeão. Dessa vez não vai ser diferente. Hoje somos o segundo colocado da competição. Todos sabem que é uma das competições mais disputadas de todas, mundialmente falando. Nossa briga é, sim, pelo título (...) Estamos fazendo jogo a jogo e vem dando resultado. Nosso objetivo é, sim, o título. Pode ter certeza que vamos brigar até o fim, com tudo o que já estamos construindo na temporada, para no final a gente poder olhar e falar que demos nosso melhor”.

"Nós temos que pensar no nosso. São grandes de equipes que estão nessa disputa. Se nós pensarmos neles vamos perder o foco nos nossos jogos. Nenhum jogo é mais importante do que o nosso. Estamos pondo na cabeça de todos no grupo, de pensar desse jeito. Todo mundo está com essa mentalidade, de ser jogo a jogo. Independentemente do que acontecer, nos outros resultados, nós temos que fazer nossa parte. Não diante nada acontecer um resultado positivo [em outro jogo] e nós não fazermos a nossa [parte]. Nós temos que estar focados no nosso objetivo, no nosso campeonato”.

“É muito disputado, do início até agora. Uma diferença mínima de pontos. O Palmeiras tem 8 pontos na frente, mas num piscar de olhos essa diferença cai e já está todo mundo embolado. Nosso objetivo é fazer nosso papel bem feito. Tenho certeza que no final do campeonato nós vamos estar brigando pelo título. Confio muito no grupo, na comissão, em todos que estão trabalhando no dia a dia para conquistar nosso objetivo”. 

“Para mim está sendo muito importante esse momento. Lógico que o coletivo estando bem ajustado e caminhando, as partes individuais sempre aparecem. Não é só agora e comigo. Estou muito feliz, me sentido em casa. A galera me abraçou de uma maneira impressionante desde o primeiro dia que eu pisei aqui. Ne senti muito acolhido, uma adaptação muito rápida. Isso passa muito pelos meus companheiros, comissão, diretoria”.

“A braçadeira de capitão é um símbolo, mas não quer dizer que um é mais importante do que o outro. Todos têm sua importância. Isso que eu quero bater na tecla. Independentemente de quem faça o gol, dê uma assistência, tire uma bola, o importante é o fim da partida o Inter vencer, conseguir um objetivo, e dar mais um passo no objetivo. Estamos caminhando assim e vamos até o fim na briga por esse título”.

Bom momento e carinho da torcida: “Na primeira vez que ouvi eu até me surpreendi, não sabia o que estava acontecendo. Isso veio de maneira muito natural. Confesso que me pegou um pouco de surpresa, até mesmo pela velocidade com que vem acontecendo. É resultado de trabalho, da dedicação de todos, e cada um tem sua particularidade com a torcida. Está legal...e até meus companheiros estão enchendo o saco com isso, e eu recebo de uma maneira muito leve, positiva. Gosto bastante e espero que essa relação continue por muito tempo, essa confiança, essa moral, não aconteça só comigo, mas com todos. O principal é o coletivo, e estando bem ajustado as partes individuais vão aparecer”.