Texto por Colaborador: Redação 06/10/2022 - 06:08

Sem Gabriel, Pena, Johnny, Taison, Wanderson e Daniel, o Inter tinha uma missão complicada pela frente nesta quarta-feira (05/10). Pela 30ª rodada do Brasileirão, o Clube do Povo travou um grande duelo com o Flamengo e segurou importante empate sem gols no Maracanã. O resultado mantém o Colorado, agora com 54 pontos, na vice-liderança do país. Após o jogo, parte da crônica avaliou o valioso ponto conquistado no Rio de Janeiro. Confira alguns pontos de vista:

ALAN ROTHER - SOMOS COLORADOS

Me surpreendeu positivamente a consistência coletiva do time colorado, que desembarcou no RJ com sua meia cancha considerada titular totalmente desintregada. De um lado estava um time recheado de estrelas - que do meio para frente é muito acima da média individualmente falando - e do outro havia um time. Mesmo tendo que utilizar garotos que ainda nem jogaram direito, observamos um SCI sustentado por uma ideia de jogo comunitária, base que dá segurança para todas as peças mesmo quando alguns nomes individualmente não sejam da altura necessária.

O Flamengo teve algumas chances de perigo, mas quase sempre chegaram com uma marcação aproximada, dificultando o arremate "solto" do adversário e ajudando na boa atuação de Keiller.

Destaco, portanto, as boas estratégias de Mano durante os 90 minutos, imaginando justamente os distintos cenários que o embate apresentou, e que acabaram ocorrendo com as trocas no segundo tempo. Mesmo mais longe do gol na etapa final, o Fla tinha um domínio "controlado". Se o Braian tivesse um pouco mais de talento (ou até tranquilidade) e em algunas contra-ataques um pouco mais de sangue frio, poderíamos até ter vencido. A equipe está de parabéns.

MAURÍCIO SARAIVA - GE

Quando foi possível, o Inter com sua corajosa escalação deu de frente com o Flamengo no primeiro tempo. Levou meia hora para o Flamengo tomar o meio-campo, mas esta supremacia não virou gol, havia Keiller assumindo no mérito a titularidade como goleiro colorado.

Depois de começar bem o segundo tempo e ter a bola do jogo com Pedro Henrique, a intensidade caiu, o Flamengo mexeu, o Inter adotou três zagueiros e então só conseguiu se defender com atuações luxuosas dos zagueiros, de Liziero e especialmente do goleiro.

Agora, é preciso completar o combo vencendo o Goiás domingo no Beira-Rio.

MARINHO SALDANHA - UOL

Em tempo: jogou muito bem o Inter. Suportou um rival difícil e, cheio de desfalques, levou um ponto para casa. Não vai dar para ser campeão, evidentemente. Mas a campanha construída sob regência de Mano Menezes é digna de aplausos.

VINI MOURA - GZH

itulares e reservas, todos estão se mostrando jogadores totalmente preparados para vestir a camisa do Inter e entregar aquilo que a torcida gosta de ver.

Na partida contra o Flamengo, a grande vitória foi de Gabriel Mercado e companhia. Destaco Mercado pois tem se mostrado como grande xerife na zaga colorada. No gol, quando a bola passou pela zaga, Keiller estava lá e assumiu toda a responsabilidade. O novo goleiro titular do Inter fez um grande jogo, em uma partida de alto nível, contra o Flamengo, no Maracanã, e com o time descaracterizado.

Vai se formando um grupo que se acostuma com as mais diversas situações dentro da partida.

Se a direção do clube atender a expectativa de reforçar o elenco e manter aqueles que se destacaram nesta temporada, o Inter terá um ano promissor em 2023.

ALEXANDRE ERNST - VOZES DO GIGANTE

Partida gigante do Inter pela entrega e circunstância de tudo o que o time passou… vice-liderança e quase com a inscrição na fase de grupos da Libertadores impressa.

GABRIEL CORREA - FOOTURE

Grande partida de Vitão no Maracanã. Dominante pelo alto, ótima leitura nas antecipações e coberturas e, principalmente na reta final, afastou boa parte dos cruzamentos (11 cortes ao todo) do Flamengo.

GUERRINHA - GZH

Além do bom resultado, dos acertos do técnico Mano Menezes, o jogo teve um personagem nada pequeno: o goleiro Keiller, que pegou tudo e mostrou que merece a titularidade.

PEDRO ERNESTO - GZH

Deu para contabilizar, pelo menos, cinco grandes defesas do goleiro colorado. Keiller nos deu um show particular. Edenilson fez um grande jogo. Defendeu e criou no meio campo colorado. Liziero fez o que pôde, mas se tornou importante na tarefa de proteger seus zagueiros. Já Pedro Henrique foi o destaque ofensivo do time colorado. Aliás, não sei porque foi substituído.

Claro que o Inter escapou de perder, o Flamengo atacou a noite toda, mas a resistência colorada tem seus méritos. Um ponto a mais na caminhada rumo à fase de grupos da Libertadores no ano que vem. Objetivo cada vez mais perto.

MAURO CEZAR - UOL

O Internacional forçou o jogo em cima de Rodinei. Era o óbvio. Mas necessário do ponto de vista do Flamengo. Isso mesmo, do ponto de vista do Flamengo.

Pedro Henrique atuou aberto pelo flanco esquerdo e levou ampla vantagem nos duelos com o flamenguista. As jogadas no primeiro tempo foram quase todas por ali.

Quem ainda acreditava na lenda de que Rodinei se transformara em bom lateral deve ter se surpreendido. Mas quem presta mais atenção no jogo o óbvio se confirmar, nada mais.

E essa obviedade ficar mais evidente nessa altura foi importante. Por que ficou praticamente impossível alguém não perceber que aquele setor é uma ameaça ao time.

Ao invés de piadas e memes sobre Rodinei na seleção, a discussão deve virar para suas claras e conhecidas deficiências defensivas e a necessidade de Dorival Júnior encontrar soluções para esse problema, que não é pequeno.

 

Categorias

Ver todas categorias

Alemão demonstrou capacidade suficiente para ser o n°9 titular em 2023?

Sim

Votar

Não

Votar

203 pessoas já votaram