Texto por Colaborador: Redação 10/05/2022 - 02:52

Nesta segunda-feira (9), as 23 equipes das Séries A e B que não assinaram com a Libra (Liga do Futebol Brasileiro), divulgaram uma nota oficial para declarar que não estarão presentes na reunião convocada para a próxima quinta-feira (12), na sede da CBF, e estebeleceram condições para aderir à Libra, atualmente composta por Corinthians, Red Bull Bragantino, Flamengo, Palmeiras, Santos, São Paulo, Ponte Preta, Vasco e Cruzeiro. No meio do "tiroteio" estão Atlético-MG, Bahia, Botafogo, Grêmio, Internacional que não assinaram o documento nem compõem nenhum bloco. 

O agrupamento representado pelos 23 clubes composto por América-MG, Chapecoense, Atlético-GO, Avaí, Brusque, Ceará, CSA, Athletico, CRB, Náutico, Coritiba, Criciúma, Cuiabá, Juventude, Fluminense, Fortaleza, Goiás, Londrina, Operário, Sampaio Corrêa, Sport, Tombense e Vila Nova, visa estabelecer novas condições para aderir ao projeto, apesar de reafirmar o “interesse na formalização da Liga de Futebol”. Além disso, foi marcada uma nova reunião para o próximo dia 16 de maio.

São três as principais divergências entre os blocos. O primeiro diz respeito à divisão da renda: 50% igualitário, 25% pela performance esportiva e outros 25% por aspectos comerciais objetivos e mensuráveis. A proposta inicial era de 40% dividido igualmente entre os times, 30% por questões esportivas e os demais 30% repartidos segundo audiência, assinatura de pay per view e engajamento nas redes sociais.

Confira a carta na íntegra:

Diante dos últimos acontecimentos, os Clubes signatários reafirmam o interesse na formalização da Liga de futebol profissional, com o intuito de elevar o nível de qualidade do futebol brasileiro, construindo um campeonato forte, revitalizado e, notadamente, com um padrão de equanimidade nas condições de disputa.

É preciso, porém, pontuar que não haverá Liga sem a união dos 40 (quarenta) clubes participantes das atuais Séries A e B.

Algumas premissas devem ser observadas, tendo como referência que: (i) a Premier League divide igualmente 68% da receita, somando todos os direitos domésticos, internacionais e de marketing; (ii) as Ligas Alemã, Espanhola, Francesa e Italiana distribuem 50% da receita de forma igualitária; e (iii) a diferença de receita entre o primeiro e último clubes respeitam os seguintes limites: Inglaterra (1.6x), Itália (2.1x), Alemanha (3.2x) e Espanha (3.5x).

Para a formalização da Liga de Clubes de futebol brasileiro, os Signatários acreditam no modelo abaixo apresentado:

(i) Divisão de receita de 50% igualitário, 25% performance e 25% comercial, com parâmetros objetivos e mensuráveis;

(ii) Diferença de receita entre maior e menor clube tendo como alvo o limite de 1.6 ao longo do tempo (referência Premier League), com o teto de 3.5 a partir do primeiro ano;

(iii) Compromisso de que a Série B receba 20% dos recursos de venda de direitos de transmissão.

Os Signatários envidarão todos os esforços possíveis para reunir os 40 (quarenta) clubes e formatar a Liga, sempre na base do diálogo e da razoabilidade, firmando também o compromisso de que, caso não haja a efetiva formalização, irão avaliar, em conjunto, a negociação dos direitos de transmissão e demais propriedades inerentes ao futebol e suas respectivas competições para os anos posteriores a 2024.

Os cubes informam, ainda, que no dia 16 de maio de 2022 se reunirão presencialmente no Rio de Janeiro para formalizar o compromisso em busca de uma composição equilibrada, e que, por tal razão, não se farão presentes na reunião previamente agendada na CBF, no dia 12 de maio de 2022.

O encontro com os 9 clubes, no que depender da vontade dos Signatários, acontecerá futuramente para que seja apresentada e debatida a proposta descrita nesta carta, na tentativa de alcançar o consenso.

 

Categorias

Ver todas categorias

Tu gostou da nova camisa titular de 2022?

Sim

Votar

Não

Votar

562 pessoas já votaram