Texto por Colaborador: Redação 03/06/2022 - 00:00

Quem diria que das trincheiras viriam o coração? Por muito tempo assim foi no estádio Beira-Rio, a Coreia era basicamente um fosso logo abaixo da arquibancada inferior. Se via o jogo a nível do gramado, se ficava em pé durante os 90 minutos e lá era onde mais forte batia o coração colorado e onde mais pulsava o estádio.

Por ser a locação mais barata do Beira-Rio, era onde o mais fanático e mais humilde torcedor se alocava. Na Coreia era o setor que se pagava com pouco dinheiro e muita emoção, a vibração que se ouvia durante jogos históricos do Internacional assim como a final de 1975 contra o Cruzeiro, onde tudo que se ouvia era o grito da Coreia colorada, após o 1x0 sobre o Cruzeiro de Minas.

E engana-se quem acha que a Coreia só era frequentada por ser o lugar mais barato do estádio, pois ela era o primeiro setor a lotar em jogos de entrada franca, pois um “Coreano” jamais há de abandonar seu lugar de guerra. E ironicamente foi por causa da guerra que a Coreia recebeu este nome, pois a tensão é tamanha que é como se o torcedor estivesse entre a Coreia do Norte e do Sul.

Mas, como nem tudo que é bom dura para sempre, em 2004 a Coreia colorada foi extinguida por questões de segurança e o local de refúgio e alento do mais humilde torcedor colorado foi tirado dele. O que fica é a saudade e as memórias da Coreia colorada, que parece se intensificar cada vez mais em tempos de elitização do futebol e de ingressos abusivos, mas isso é papo pra outra hora.

Texto por: Vinicius Rosa 

Categorias

Ver todas categorias

Alemão demonstrou capacidade suficiente para ser o n°9 titular em 2023?

Sim

Votar

Não

Votar

203 pessoas já votaram