Texto por Colaborador: Redação 21/01/2022 - 04:11

O panorama ideal jamais faria um clube do porte do Inter "comemorar" a saída de seus principais talentos, no entanto, com um legado de problemas financeiros e pertencente a um mercado periférico do futebol, a realidade é que o Internacional precisa ser mais inteligente em suas ações em um quadro de desvantagem frente os principais clubes (economicamente falando) brasileiros ou internacionais.

Nessa conjectura, a iminente venda do atacante Yuri Alberto pode ser o propulsor - não necessariamente da queda de qualidade do time, como se presumiria inicialmente - de um ciclo positivo como um todo. Para isso, contudo, será necessário precisão nas escolhas e boa utilização dos recursos. Mas como exatamente?

Vamos pegar um dos casos mais recentes e reconhecidos, do Liverpool FC, em 2018. Mesmo após ajeitar a "cozinha" com um padrão tático e organização coletiva, o clube inglês seguia batendo na trave, perdendo seguidas finais e se vendo abaixo do necessário em pontos chaves do plantel. A solução, porém, veio justamente quando o clube se desfez de uma de suas maiores estrelas naquele momento, o brasileiro Philippe Coutinho, para o Barcelona, em um negócio avaliado em cerca de 140 milhões de Libras. Mesmo privando-se de um titular o sábio quadro de recrutamento do LFC atuou no mercado com precisão ímpar e pode, com os mesmos recursos, financiar a vinda de um zagueiro de alto nível e um goleiro (curiosamente o nosso grande Alisson Becker). Essa troca basicamente sustentou uma espinha dorsal de qualidade que daria as reais condições do gigante inglês voltar às glórias. 

Se analisamos o caso dos Reds, observamos que (assim como nós) eles não possuem o maior orçamento da Premier League, muito menos do continente europeu, mas com boas escolhas no mercado (quase sempre não as mais caras ou mais chamativas) a equipe alavancou um crescimento coletivo através de um refinamento das peças individuais. Em vez de mirar a culpa pelas derrotas em grandes decisões e apontar o dedo para o técnico - que havia falhado sim, em certos jogos e em escolhas de jogadores - o conceito foi justamente o contrário, sustentar o bom trabalho coletivo melhorando de um ano para o outro as capacidades técnicas, sempre em conformidade com o estilo e filosofia do técnico Jurgen Klopp.

O dilema atual colorado - sempre dando suas devidas proporções e particularidades de cada caso - é justamente em conseguir ultrapassar um limite técnico claramente estagnado, ou seja, mesmo perdendo uma peça de bom nível (como Yuri Alberto) é preciso ter o gabarito para utilizar parte desses recursos visando a complementação do que atualmente é notoriamente insuficiente, como as duas laterais, por exemplo. Com talvez nem metade desses recursos (diz-se 75% de 20 milhões de Euros) pode-se trazer dois laterais superiores, fazendo com que o SCI de fato potencialize áreas chaves em relação as outras temporadas, tudo isso tendo ainda recursos para abater dívidas de longo prazo, criando um círculo-vicioso de melhora financeira e plantel.  

Portanto, a direção colorada precisará ser perspicaz para fazer do limão duas limonadas! Aguardemos os próximos capítulos...

EDITORIAL SC

Categorias

Ver todas categorias

Tu gostou da nova camisa titular de 2022?

Sim

Votar

Não

Votar

561 pessoas já votaram